Textos


          PÁSCOA É VIDA.

               Estamos nos aproximando de mais uma Páscoa, ou seja, mais uma oportunidade de darmos chance a vida. Este é o maior símbolo, talvez a razão de termos um feriado pascal, o de celebrarmos a ressurreição, refletirmos os valores de viver em um mundo, onde os conceitos confundem-se, ora por culpa de interesses duvidosos, ora por culpa da omissão de cada pessoa considerada cidadão. 
               Se estamos celebrando a nova vida, estamos tendo outra chance de fazermos algo correto, lembremo-nos de Jesus Cristo, ao morrer na cruz, ressuscitou ao terceiro dia, além de provar a sua pregação, ensina-nos o caminho certo, o caminho do perdão, da humildade, da fraternidade, do amor ao próximo, enfim, o caminho da vida. Quem não seguir algo semelhante, estará num caminho onde dificilmente encontrará a felicidade, onde dificilmente sentir-se-á bem consigo próprio, e esta lição é preciso ser aprendida nesta páscoa. 
               A violência está a nossa porta, podemos a ver pelos noticiários da televisão, em nossa cidade, bairro e até mesmo em casa, mudar é uma questão de escolha de caminho, significa mudar de atitude, a tolerância é fundamental em nossa sociedade, sem ela não há respeito as diferenças tanto de credo, política, artística, ou seja, a vida está comprometida, portanto o nosso feriado pascal não tem sentido, pois o maior símbolo deste é justamente a mudança de comportamento, a renovação da vida para o caminho correto, onde uma pessoa não faz mal a outra. 
               Mudar a sociedade, soa algo utópico ou radical, melhorar seria um termo mais adequado. Nenhuma mudança acontece drasticamente, mas por evolução, quando há um certo cansaço e repúdio ao caminho errado, há mudanças, como aconteceu na cidade do Rio de Janeiro/RJ, onde o exército foi às ruas recuperar suas armas roubadas, teve apoio da população, sendo bem sucedidos, este episódio mostra claramente o cansaço, a fadiga por um caminho trilhado e incoerente com a vida, o apoio ao exército pela população, é claramente um sinal pascal, as pessoas estão pedindo nova vida, estão exigindo um caminho onde haja liberdade, emprego, fraternidade, porém, sem a violência. É preciso saber ouvir e interpretar corretamente, por melhor das intenções, somente quando a sociedade pressiona, acontecem as mudanças, não basta apenas ter ongs (organizações não-governamentais), é preciso um apoio de toda uma comunidade para elas funcionarem, inclusive o apoio financeiro. 
               A corrupção não é o caminho correto, o pior é aceitar o sistema, não adianta criticar, se esta não vier precedida de uma mudança, de uma renovada forma de agir. Se a Páscoa é renovar a vida, por que não renovamos a política? A corrupção acontece pelo fato de aceitarmos o sistema atual, onde se ganha alguma lembrança do candidato, seja caneta, camiseta, e ainda há possibilidade de conseguir algum outro benefício próprio com o mesmo, apoiar este sistema é ir contra a páscoa. Também precisamos de uma mudança, mas ela começa elegendo candidatos ou partidos sem esta prática, o eleitor tem de deixar claro o que ele quer, pois o futuro depende de pensamentos coletivos, fraternos. Ninguém vai conseguir combater a violência, se antes pensar no bem próprio, na pequena vantagem prometida, um político tem de lutar pela infra-estrutura de uma sociedade. 
               Lutar pela vida, não pode ser um momento de Páscoa, mas continuadamente, todos os dias de um ano, assim como a sua reflexão, os destinos dados a cada dia. Mas a Páscoa é o momento de maior apelo pelas mudanças, isso já é histórico, é o momento onde a renovação serve para motivar as pessoas, sensibilizando-as, tentando alcançar o coração de cada um. Feliz Páscoa.
Marcelo Torca
Enviado por Marcelo Torca em 18/12/2006
Alterado em 18/12/2006
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Marcelo Torca, www.marcelotorca.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários