Textos


                    A vida vale quanto? Refiro-me a vida humana, onde pretendo levar há uma pequena reflexão desse valor, onde por qualquer motivo, uma briga, uma discussão, pode levar ao falecimento de um jovem, um pai, uma mãe, um idoso, um trabalhador. A violência é grande, mas tem os seus motivos, a desestruturação de uma família, a falta de urbanização de bairros, a falta de cuidado com a educação formal e informal de jovens, fazem a vida humana ter valores insignificantes, onde uma garrafa de cerveja pode ser um motivo de um homicídio. 
                    A convivência entre seres humanos sempre foi difícil, mas para constituir uma civilização, precisamos de regras, assim como, de tolerância, talvez a palavra mais sentida ou necessitada, não há como viver em comunidade sem haver tolerância, paciência, respeito as diferenças, inclusive de pensamento. O meio onde uma pessoa está inserida influencia, se não há perspectivas de futuro, certamente essa pessoa irá ser mal conduzida, e provavelmente será uma agente do terror, ou da desvalorização da vida. 
                    Mas se há perspectivas de futuro, há mudanças, há evolução, há crescimento interior, há valorização da vida. Essa perspectiva de futuro traduz-se em realização profissional, conquista de residência própria, boa formação educacional, estrutura familiar, convivência boa entre amigos e vizinhos, preenchimento do vazio por Deus, ou seja, uma religião. Os conflitos internos precisam de uma vazão, seja através de uma poesia, conto, música, esporte, precisam de espaço para serem expressados de forma sadia. A bebida alcoólica é uma péssima conselheira, não é a mesma que gera violência, são os conflitos internos e a não vazão racional dos mesmos, mas a bebida induz há erro. 
                    O valor da vida passa pela formação escolar, a escola é um dos grandes agentes de socialização, além de fornecer conhecimento formal, ensina a dar vazão a violência através de prática de esporte, e o seguimento de suas regras, aprendendo desde cedo a ganhar e a perder, sem terminar em brigas, assim como, na produção de textos, o aluno tem a oportunidade de desabafar algo que queira. A área de exatas leva ao aprofundamento do pensamento lógico, abstrato, induzindo o aluno a pensar em temas mais complexos, a solucionar problemas difíceis. 
                    As igrejas possuem um importante papel na valorização da vida, fazendo-a ter sentido, de modo que as frustrações sejam substituídas por serviços voluntários, ou comprometendo pessoas a ajudarem os mais necessitados, desviando o foco central do ser interno, da vaidade. É um papel importante, pois é onde se trabalha com a espiritualidade, valorizando a vida como um todo, até mesmo sendo um projeto divino, desautorizando qualquer ser humano a retirar a vida de um outro. 
                    Se a urbanização constitui um problema, onde há concentração de pessoas, mas não posto de saúde, transportes coletivos, escola, centro de lazer, água encanada, esgoto, luz elétrica, cria-se um problema sério, a garantia de serviços básicos é uma forma de valorizar a vida, e impedir a evolução da violência, dando as perspectivas de futuro. Uma estratégia adequada de ocupação de um país, permite dar esse apoio, grandes concentrações de pessoas em um pequeno espaço, dificilmente terão saída, principalmente quando se fala de um país chamado Brasil, com muito espaço a ser ocupado. Uma reorganização na distribuição da população já se faz necessário, e isso seria a garantia de vida melhor a todos, as cidades pequenas teriam mais empregos, enquanto as grandes ficariam menos violentas, mas sem a geração de emprego, esse projeto não é viável. 
                    Sem dúvida alguma, lutar pela vida digna em coletividade ainda é um caminho possível, com resultados à curto prazo. Vai depender da vontade de cada um.

Marcelo Torca
Enviado por Marcelo Torca em 08/02/2007

M�sica: O Escravo - Marcelo Torca

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Marcelo Torca, www.marcelotorca.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: Sergiu Bacioiu/flickr